TRADUTOR / TRANSLATER

TRADUTOR / TRANSLATER / TRADUCTEUR / TRADUCTOR / TRADUTTORE
English French German Spain Italian Dutch Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified

Quem sou eu

Minha foto

Bem vinda(o) à página de Ton MarMel, Artista Visual, que desde criança manifestou dotes para pintura, desenho, escultura, frequentou a Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, recebeu inúmeros prêmios, participou de dezenas de salões de artes, exposições INDIVIDUAIS no Brasil e exterior, é Advogado, doutor em Direito Público há mais de 15 anos, que tem a missão de oferecer obras de artes, serviços artísticos experientes e conhecimentos de excelência com criatividade, segurança e eficiência, inclusive para ASESSESSORIA ARTÍSTICA, CONSULTORIA ON LINE.  (º--º)  Meu trabalho é conhecido e reconhecido por várias pessoas físicas e jurídicas pois presto serviços e ATENDIMENTOS INDIVIDUAIS E EM GRUPOS, inclusive como PALESTRANTE sobre arte social, direito, projetos sociais de relevância, desenvolvimento pessoal, motivação, empoderamento, liberdade emocional.



TOTAL DE VISITANTES

TOTAL DE VISITANTES

SEGUIDORES DE MARMEL

PESQUISAR NESTE SITE?

RECEBER NOTÍCIAS DE PUBLICAÇÕES? DIGITE E-MAIL

quarta-feira, outubro 21, 2015

CRIATIVIDADE

Mudar não é fácil, todos nós sabemos disso. Saímos da nossa zona de conforto, rumo ao desconhecido, para enfrentar nosso maior inimigo - nós mesmos. Neste momento, ficamos muito tentados a adotar fórmulas prontas, receitas de bolo para facilitar esse percurso, ou, pior ainda, adaptamos algo que deu certo com alguém, sem passar por um rígido controle de qualidade pessoal, e o resultado é muitas vezes desastroso.

Ton MarMel - +MarMel Artista  +Ton MarMel 

"Tente fazer algo além do que você já domina, caso contrário, você nunca crescerá". (R. Osborn).


CRIATIVIDADE

Era uma vez um menininho bastante pequeno, que contrastava com a escola bastante grande. Uma manhã, a professora disse:
- Hoje nós iremos fazer um desenho.

"Que bom"! pensou o menininho. Ele gostava de desenhar leões, tigres, galinhas, vacas, trens e barcos ... Pegou sua caixa de lápis de cor e começou a. desenhar.

A professora, então, disse:
- Esperem, ainda não é hora de começar!

Ela aguardou até que todos estivessem prontos.
- Agora, disse a professora, nós iremos desenhar flores.

E o menininho começou a desenhar bonitas flores, com seus lápis de tonalidade azul do mar e amarelo da cor do mel.

A professora disse:
- Esperem! Vou mostrar como fazer.

E a flor era vermelha com caule verde.
- Assim, disse a professora, agora vocês podem começar.

O menininho olhou para a flor da professora e depois para a sua flor. Gostou mais da sua flor, mas não podia dizer isso ... virou o papel e desenhou uma flor igual à da professora.

E assim desenhou uma flor vermelha com caule verde.

Outro dia, quando o menininho estava em aula ao ar livre, a professora disse:
- Hoje nós iremos fazer alguma coisa com o barro.

"Que bom"! pensou o menininho. Ele gostava de trabalhar com barro. Podia fazer com ele todos os tipos de coisas: elefantes, camundongos, carros e caminhões. E começou a juntar e amassar a sua bola de barro.

Então, a professora disse:
- Esperem! Não é hora de começar!

Ela aguardou até que todos estivessem prontos.
- Agora, disse a professora, nós iremos fazer um prato.

"Que bom"! pensou o menininho. Ele gostava de fazer pratos de todas as formas e tamanhos.

A professora disse:
- Esperem! Vou mostrar como se faz.

Assim, agora vocês podem começar.

E o prato que a professora apresentou era um prato fundo.

O menininho olhou para o prato da professora, olhou para o próprio prato e gostou mais do seu, mas ele não podia dizer isso. Amassou seu barro numa grande bola novamente e fez um prato fundo, igual ao da professora.

E muito cedo o menininho aprendeu a esperar e a olhar e a fazer as coisas exatamente como a professora mandava. E muito cedo ele não fazia mais coisas por si próprio.

Então, aconteceu que o menininho teve que mudar de escola. Essa escola era ainda maior que a primeira.

Um dia a professora disse:
- Hoje nós vamos fazer um desenho.

"Que bom"! pensou o menininho e esperou que a professora dissesse o que fazer. Só que ela não disse. Apenas andava pela sala. Quando veio até o menininho ela perguntou:
- Você não quer desenhar?

- Sim, e o que é que nós vamos fazer?

- Eu não sei, até que você o faça.

- Como eu posso fazê-Io?

- Da maneira que você gostar.

- E de que cor?

- Se todo mundo fizer o mesmo desenho e usar as mesmas cores, como eu posso saber o desenho de cada um?

- Eu não sei ...


E então o menininho começou a desenhar uma flor vermelha com o caule verde ...