TRADUTOR / TRANSLATER

TRADUTOR / TRANSLATER / TRADUCTEUR / TRADUCTOR / TRADUTTORE
English French German Spain Italian Dutch Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified

Quem sou eu

Minha foto

Bem-vinda(o) à MarMel visualARTS do premiado artista Ton MarMel que desde infante manifestou dotes para pintura, desenho, escultura, frequentou a Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, participou de dezenas de salões, exposições no Brasil e exterior, é Doutor em Direito Público que tem a missão de oferecer conhecimento, obras e serviços de excelência com criatividade, segurança e eficiência. 


SEGUIDORES DE MARMEL

TOTAL DE VISITANTES

DESTAQUE

CARTA ABERTA A EXCELENTÍSSIMA SENHORA PRESIDENTA DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL SOBRE A SITUAÇÃO DA ARTE E DO ARTISTA BRASILEIROS - http://marmel-ton-marmel.blogspot.com/2011/09/carta-aberta-excelentissima-senhora.html
- "NÓS,BRINQUEDOS" - Conjunto de mais de 600 TELAS executadas em técnicas diversas, distribuído em 4 Volumes, acompanhado de TEXTO-TESE indicativo que pode ser lido integralmente neste link de postagem anterior http://marmel-ton-marmel.blogspot.com/2011/05/nos-brinquedos.html#links - "NÓS, BRINQUEDOS: porque desde a infância somos nossos próprios brinquedos, realizações, sonhos, projetos, inventos, alegrias e decepções." (MarMel) - "Ninguém te sacudiu pelos ombros quando ainda era tempo. Agora, a argila de que

quarta-feira, outubro 21, 2015

CRIATIVIDADE

Mudar não é fácil, todos nós sabemos disso. Saímos da nossa zona de conforto, rumo ao desconhecido, para enfrentar nosso maior inimigo - nós mesmos. Neste momento, ficamos muito tentados a adotar fórmulas prontas, receitas de bolo para facilitar esse percurso, ou, pior ainda, adaptamos algo que deu certo com alguém, sem passar por um rígido controle de qualidade pessoal, e o resultado é muitas vezes desastroso.

Ton MarMel - +MarMel Artista  +Ton MarMel 

"Tente fazer algo além do que você já domina, caso contrário, você nunca crescerá". (R. Osborn).


CRIATIVIDADE

Era uma vez um menininho bastante pequeno, que contrastava com a escola bastante grande. Uma manhã, a professora disse:
- Hoje nós iremos fazer um desenho.

"Que bom"! pensou o menininho. Ele gostava de desenhar leões, tigres, galinhas, vacas, trens e barcos ... Pegou sua caixa de lápis de cor e começou a. desenhar.

A professora, então, disse:
- Esperem, ainda não é hora de começar!

Ela aguardou até que todos estivessem prontos.
- Agora, disse a professora, nós iremos desenhar flores.

E o menininho começou a desenhar bonitas flores, com seus lápis de tonalidade azul do mar e amarelo da cor do mel.

A professora disse:
- Esperem! Vou mostrar como fazer.

E a flor era vermelha com caule verde.
- Assim, disse a professora, agora vocês podem começar.

O menininho olhou para a flor da professora e depois para a sua flor. Gostou mais da sua flor, mas não podia dizer isso ... virou o papel e desenhou uma flor igual à da professora.

E assim desenhou uma flor vermelha com caule verde.

Outro dia, quando o menininho estava em aula ao ar livre, a professora disse:
- Hoje nós iremos fazer alguma coisa com o barro.

"Que bom"! pensou o menininho. Ele gostava de trabalhar com barro. Podia fazer com ele todos os tipos de coisas: elefantes, camundongos, carros e caminhões. E começou a juntar e amassar a sua bola de barro.

Então, a professora disse:
- Esperem! Não é hora de começar!

Ela aguardou até que todos estivessem prontos.
- Agora, disse a professora, nós iremos fazer um prato.

"Que bom"! pensou o menininho. Ele gostava de fazer pratos de todas as formas e tamanhos.

A professora disse:
- Esperem! Vou mostrar como se faz.

Assim, agora vocês podem começar.

E o prato que a professora apresentou era um prato fundo.

O menininho olhou para o prato da professora, olhou para o próprio prato e gostou mais do seu, mas ele não podia dizer isso. Amassou seu barro numa grande bola novamente e fez um prato fundo, igual ao da professora.

E muito cedo o menininho aprendeu a esperar e a olhar e a fazer as coisas exatamente como a professora mandava. E muito cedo ele não fazia mais coisas por si próprio.

Então, aconteceu que o menininho teve que mudar de escola. Essa escola era ainda maior que a primeira.

Um dia a professora disse:
- Hoje nós vamos fazer um desenho.

"Que bom"! pensou o menininho e esperou que a professora dissesse o que fazer. Só que ela não disse. Apenas andava pela sala. Quando veio até o menininho ela perguntou:
- Você não quer desenhar?

- Sim, e o que é que nós vamos fazer?

- Eu não sei, até que você o faça.

- Como eu posso fazê-Io?

- Da maneira que você gostar.

- E de que cor?

- Se todo mundo fizer o mesmo desenho e usar as mesmas cores, como eu posso saber o desenho de cada um?

- Eu não sei ...


E então o menininho começou a desenhar uma flor vermelha com o caule verde ...