TRADUTOR / TRANSLATER

TRADUTOR / TRANSLATER / TRADUCTEUR / TRADUCTOR / TRADUTTORE
English French German Spain Italian Dutch Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified

Quem sou eu

Minha foto

Bem-vinda(o) à MarMel visualARTS do premiado artista Ton MarMel que desde infante manifestou dotes para pintura, desenho, escultura, frequentou a Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, participou de dezenas de salões, exposições no Brasil e exterior, é Doutor em Direito Público que tem a missão de oferecer conhecimento, obras e serviços de excelência com criatividade, segurança e eficiência. 


SEGUIDORES DE MARMEL

TOTAL DE VISITANTES

DESTAQUE

CARTA ABERTA A EXCELENTÍSSIMA SENHORA PRESIDENTA DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL SOBRE A SITUAÇÃO DA ARTE E DO ARTISTA BRASILEIROS - http://marmel-ton-marmel.blogspot.com/2011/09/carta-aberta-excelentissima-senhora.html
- "NÓS,BRINQUEDOS" - Conjunto de mais de 600 TELAS executadas em técnicas diversas, distribuído em 4 Volumes, acompanhado de TEXTO-TESE indicativo que pode ser lido integralmente neste link de postagem anterior http://marmel-ton-marmel.blogspot.com/2011/05/nos-brinquedos.html#links - "NÓS, BRINQUEDOS: porque desde a infância somos nossos próprios brinquedos, realizações, sonhos, projetos, inventos, alegrias e decepções." (MarMel) - "Ninguém te sacudiu pelos ombros quando ainda era tempo. Agora, a argila de que

quinta-feira, outubro 31, 2013

GATO PRETO

Lembrando do Hallowen... PENSE EM UM NÚMERO POSITIVO. MULTIPLIQUE ESSE NÚMERO POR 2. SOME 6. DIVIDA PELA METADE. SUBTRAIA O NÚMERO QUE VOCÊ PENSOU NO INÍCIO.... O RESULTADO É 3!!! Surpresa!!! Não entendeu? Que macumba é essa?!  




(Título:Gato Preto, da série Que macumba é essa?! Técnica: Nanquim, grafite e giz-de-cera sobre papel cartonado. Autor: Ton MarMel)





CORES, CORAÇÕES E TINTAS

Naturalmente, certas coisas não podem voltar a ser com eram, tais como as cores, corações e tintas usados, pois a vida é curta, mas as coisas boas e as emoções que podemos deixar podem durar uma eternidade.


(Cores, corações e tintas. Pintura óleo sobre tela pertencente a série Nós, Brinquedos. Autor: Ton MarMel) 




quarta-feira, outubro 09, 2013

NÃO EXISTE TEMPO RUIM PARA QUEM AMA

NÃO EXISTE TEMPO RUIM PARA QUEM AMA: CALENDÁRIO DO AMOR TOTAL DE TON MARMEL!!!

(Trabalho realizado a partir de pesquisa de folhetos e panfletos de propagandas que circularam no Brasil na década de 1970 - Ton MarMel)


Este é o único que confio. Neste você pode confiar. Neste não tem mau tempo, e em toda estação é o lugar. É garantia de amor o ano todo. Neste, o amor não é semanal, mensal ou anual, é muito mais que oral. É garantia de prazer total. - Recomende para suas amigas e amigos. Agora também na versão light-teen sem imagens sugestivas. 

------ #------


THERE IS NO TIME FOR THOSE WHO LOVE BAD: CALENDAR OF LOVE TOTAL MARMEL TON!! This is the only one I trust. In this you can trust. This does not have bad weather, in every season and is the place. Guaranteed to love throughout the year. In this, love is not weekly, monthly or yearly, is much more than oral. Guaranteed to total pleasure. - Recommend to your friends and friends. Now also in light-teen version without suggestive images. 

(NÃO EXISTE TEMPO RUIM PARA QUEM AMA: PROVA DE MATEMÁTICA! - Ton MarMel) 



(anTONio MARtins MELo - TON MARMEL)



terça-feira, outubro 08, 2013

SABOTADORES DE SONHOS

Quem nunca ouviu de uma pessoa próxima frases do tipo "tomara que você consiga, mas será muito difícil"? Mesmo que não seja por maldade, os destruidores de sonhos estão por toda a parte.

[EM CASO DE GENTE CHATA, FOFOCAS, FUXICO, MENTIRAS; E QUANDO SE PRECISAR ESTAR EM UM LUGAR DE PESSOAS CHATAS POR NECESSIDADE SOCIAL QUE NÃO SE PUDER EVITAR, USE ESSE BOTÃO QUE TE FARÁ BEM. (Ton MarMel)]



Pergunte a uma criança o que ela quer ser quando crescer. Provavelmente, você receberá como resposta uma profissão aparentemente inalcançável para nós, meros mortais, como astronauta, pintor ou astro do rock. Mesmo quem já cresceu tem sonhos trabalhosos, por assim dizer, que podem ser desde perder peso a comprar o apartamento dos sonhos. O problema começa quando os "matadores de sonhos" cruzam o caminho dos outros. Eles estão por todos os lados e podem até gostar de você, mas tentarão lhe fazer mudar de ideia. Comentários como "tomara que você consiga, mas saiba que será muito difícil" ou "espero que você não desista de novo" são motes pseudoencorajadores usados por eles. Como driblá-los?



Dizem que somos do tamanho dos nossos sonhos. Pois os sabotadores também. Denise Vilas Boas, psicóloga analítica comportamental e vice-presidente da Associação Brasileira de Psicologia e Medicina (ABPMC), explica que o ato de desencorajar o outro é comum. "Acontece muito quando as pessoas acham que aquele sonho é fora do comum." Segundo ela, uma explicação para o impedimento à meta alheia seria a vontade de permanecer confortável. "Se eu boicoto a sua tarefa, não preciso criar um objetivo para mim, nem ver que o outro conseguiu e eu não."




Mas nem sempre isso ocorre por maldade. Algumas vezes, os comentários contrários são preocupações mal verbalizadas. Pais e mães, segundo Vilas Boas, são bons exemplos de pessoas que desencorajam tentando proteger os filhos do sofrimento. "Pode acontecer quando eles (os pais) não conseguem enxergar essa perspectiva ou acreditam que a pessoa não tem repertório para chegar aonde quer." Por isso, a psicóloga salienta que uma das coisas mais importantes a se pensar quando se tem um sonho é o que é preciso fazer para chegar lá — e se o indivíduo está disposto a passar por todas as fases necessárias. "Se alguém quer ser astronauta, mas não gosta de física, não vai conseguir. A pessoa que tem o sonho precisa conhecer seus limites e avaliar se tem condições de realizá-lo."



Objetivos de longo prazo exigem, além de planejamento, força de vontade. Angélica Capelari, psicóloga e professora da Universidade Metodista de São Paulo, explica que, se já é difícil se manter fazendo o que deve ser feito, comentários pseudomotivacionais complicam a meta ainda mais. Quem tem o sonho precisa de incentivo genuíno para não desistir. "Nem sempre se trata de uma sacanagem precipitada, mas atrapalha, pois, geralmente, as pessoas têm que trabalhar arduamente para conseguirem o que querem."



Gabriel Coelho Pinto Correia, 28 anos, tem certeza absoluta de que chegará aonde quer: ao estrelato. Formado em administração de empresas, ele conta que sempre sonhou em ser músico. Aos 6 anos, começou como muitos, cantando no coral da igreja que frequentava, mas garante que conseguirá realizar o sonho de chegar aonde poucos conseguem. Para isso, dedica todo o seu tempo à música. Além de ser vocalista da banda Daros, aprendeu a tocar violão para se apresentar sozinho. "Nunca tive um plano B, acho que sou o único da banda que não tem e nunca terei. Para mim, música é o plano A e sempre será."





Quando compartilha seu sonho, as reações se dividem entre quem já consegue vê-lo ganhando o Grammy e os que se preocupam com o passar do tempo. A banda começou em 2006, mas o contrato com a gravadora — e, consequentemente, a gravação do videoclipe e do CD — só veio em 2010. "Algumas pessoas apoiam, mas vejo que não acreditam. Tem gente que fala mal, que eu estou ‘viajando’, que já estou com 28 anos e a banda ainda não deu certo e que eu não acordei, que não tenho um plano B. Mas mesmo meus outros planos são voltados para a música. Mesmo que os outros desistam, eu não vou desistir nunca."





Quando os pais são os "destruidores"



Gilberto Godoy, psicólogo e professor do UniCeub, explica que há algumas coisas importantes para entender a existência dos matadores de sonhos. Primeiro, segundo ele, é que dentro das características humanas diante da incapacidade de realizações, as pessoas tendem a deixar exalar o que se chama culturalmente de inveja. "Ela nada mais é que o subproduto de nossas incapacidades. Ninguém inveja o que já tem. Isso está muito relacionado ao sentimento de insegurança." Outro fator de destaque seria o comportamento verbal de cada um, que, nem sempre, exprime exatamente o que se passa na cabeça de quem fala. "No comportamento verbal, há o que a pessoa diz, o que ela quis dizer, o que ela faz ao dizer e o que consegue com o que diz", enumera.


No caso dos pais, por vezes, os principais suspeitos (e acusados) de não apoiar os sonhos dos filhos, Godoy diz que o comportamento indica apenas um incômodo, uma preocupação natural. O que importa mesmo é saber esmiuçar o comportamento verbal dos outros e ter firmeza do que se quer. "Quanto mais consistente o objetivo, mais sólido será o caminho até ele." Feito tudo isso, é hora de se vacinar contra o que os outros pensam. "É uma escravidão social. Desde cedo, somos ensinados a nos preocupar com o que estão achando de nós."



O melhor tratamento contra a língua afiada dos outros? Boas doses de autoconhecimento e de seus efeitos colaterais, como a autoconfiança. "Vivemos correndo atrás de sonhos que são produzidos por demandas culturais, e não por nós mesmos", ensina Gilberto Godoy. Não há problema, portanto, em sonhar com uma Ferrari estacionada na frente de uma mansão — desde que a meta seja honesta, e não baseada na tentativa de ser aceito. O caminho para o autoconhecimento e para a definição de objetivos pessoais é vasto, segundo o especialista, e passa por leituras, terapia e convívio social. "Pode ser até em uma conversa com amigos mais experientes e familiares. O que importa é ter contato com pessoas francas, honestas, que darão conselhos confiáveis."



Sempre que conta que sonha em ser autor de novelas, Ítalo Damasceno Souza, 29 anos, escuta comentários positivos. Custear o sonho, contudo, não é fácil. Para "ganhar a vida", ele trabalha como advogado e estuda para concurso público. Mas está longe de reclamar. "Como venho de Teresina (PI), achei que era uma coisa muito distante. Aqui em Brasília é que escrever se tornou uma opção real, junto com estudar para concurso. Agora, não é mais ‘vou estudar para concurso para, quando eu passar, começar a escrever’", explica. Ele conta que, em sua terra natal, ser escritor não despertava muita credibilidade. O escritor seria visto como "uma pessoa louca, que passa fome e vive às custas de subvenção do governo".



A vontade de escrever, contudo, continuou existindo, mesmo com ressalvas vindas até de seus pais. "Eles encaram como um hobby", resume. Na universidade, Ítalo conheceu pessoas que também queriam escrever profissionalmente. Em seguida, a internet possibilitou a divulgação de seus textos. Um concurso de contos, este ano, fez com que suas palavras chegassem ao papel. "Depois desse concurso, vi que daria certo, que existem alternativas que me dariam a chance de ganhar dinheiro com isso", comemora. "Isso passou a se tornar uma possibilidade real, tanto quanto concurso."



Por enquanto, Ítalo considera o direito como um plano B. Não que não veja ligação entre as duas profissões, mas, de acordo com ele, o conhecimento das leis é uma ponte para seu sonho de escrever para a telinha. Embora o plano original seja passar em um concurso para só depois se dedicar aos escritos, no momento, Ítalo vive suas três funções — trabalhar, estudar e escrever — ao mesmo tempo. "Não é fácil, nem sempre dá certo. Em determinado momento, um fica mais intenso, outro menos." Enquanto a aprovação não chega, o sonho vai criando asas. "Talvez, quem sabe, se eu tiver coragem, largo o concurso e fico só escrevendo." 





Como realizar seus sonhos 



Objetivos se atingem com muitos recursos. 


Em primeiro lugar, é preciso saber o que quer e quais são seus valores. Ou seja, não perca o foco do objetivo principal e invista sempre em novas estratégias.


Tenha seu objetivo traçado e definido com precisão.


Após isso, é fundamental fazer uma estruturação de referências para se chegar lá, amparado por convicções de capacidade própria muito fortes. Ou seja, força emocional, entusiasmo e crença na conquista, demore o tempo que custar.


Muitos desabam no meio do caminho, desistem e colocam a culpa no objetivo. Porém, lembre-se: se outros conseguiram, é possível. 


É preciso mudar a estratégia quando algo não estiver dando certo — e esqueça que a palavra "desistência" existe.


Acredite em suas capacidades e não se deixe vencer pelo caminho, não importa o quão longo ele seja. 


Projetos de curto prazo são como querer que sementes plantadas em um dia deem frutos maduros no outro. Sonhos são grandes projetos de longo prazo, demandam persistência, crença, entusiasmo, ações massivas e paciência até que se realizem.



Fonte: Rodrigo Batalha, especialista em desempenho comportamental, palestrante, consultor e autor do livro Desempenho Máximo, estratégias para conquistar os seus objetivos.



(Gláucia Chaves. Revista do Correio. Correio Braziliense, 22.09.2013, ano 8, número 436, Brasília-DF)