TRADUTOR / TRANSLATER

TRADUTOR / TRANSLATER / TRADUCTEUR / TRADUCTOR / TRADUTTORE
English French German Spain Italian Dutch Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified

SEGUIDORES DE MARMEL

TOTAL DE VISITANTES

TOTAL DE VISITANTES

Quem sou eu

Minha foto

Bem vinda(o) à página de Ton MarMel, Artista Visual, que desde criança manifestou dotes para pintura, desenho, escultura, frequentou a Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, recebeu inúmeros prêmios, participou de dezenas de salões de artes, exposições INDIVIDUAIS no Brasil e exterior, é Advogado, doutor em Direito Público há mais de 15 anos, que tem a missão de oferecer obras de artes, serviços artísticos experientes e conhecimentos de excelência com criatividade, segurança e eficiência, inclusive para ASESSESSORIA ARTÍSTICA, CONSULTORIA ON LINE.  (º--º)  Meu trabalho é conhecido e reconhecido por várias pessoas físicas e jurídicas pois presto serviços e ATENDIMENTOS INDIVIDUAIS E EM GRUPOS, inclusive como PALESTRANTE sobre arte social, direito, projetos sociais de relevância, desenvolvimento pessoal, motivação, empoderamento, liberdade emocional.



PESQUISAR NESTE SITE?

RECEBER NOTÍCIAS DE PUBLICAÇÕES? DIGITE E-MAIL

quinta-feira, outubro 22, 2015

AS LAGARTAS PROCESSIONÁRIAS

Conta-se que Jean Faber, grande naturalista francês, encontrou um exemplo perfeito do comportamento receoso de romper com a rotina, ao fazer investigações sobre as lagartas processionárias.

Ton MarMel e a ação resultante de uma decisão. (#tonmarmel +MarMel Artista  +MarMel Jurista 
Esses curiosos bichinhos vivem nos bosques, alimentando-se de folhas de pinho, caminham entre as árvores, formando uma longa fila, com os olhos semicerrados e a cabeça quase pegada à traseira da companheira que a precede. Parecem automóveis que andam colados no para-choque do automóvel que segue à frente.

"O que sucederia - perguntou-se Faber - se eu colocasse a primeira processionária de tal modo que ficasse unida à última da coluna"?

Sem grandes problemas, conseguiu que uma série de lagartas caminhasse em círculo sobre a borda de um vaso. Caminharam em círculo durante sete dias e sete noites.


Nada podia romper a cadeia. Com exceção do cansaço e da fraqueza, devido à falta de alimento. E note-se que havia suficiente alimento no meio do vaso, a uma distância menor que o cumprimento de uma das processionárias. Um verdadeiro banquete, se qualquer uma delas se houvesse animado a romper a cadeia.

Mas, nenhuma delas o fez.


Assim, cuidado com seus hábitos e suas rotinas; eles podem estar cegando-a para as chances e oportunidades que se mostram e que você já as conhece muito bem.