TRADUTOR / TRANSLATER

TRADUTOR / TRANSLATER / TRADUCTEUR / TRADUCTOR / TRADUTTORE
English French German Spain Italian Dutch Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified

Quem sou eu

Minha foto

Bem vinda(o) à página de Ton MarMel, Artista Visual, que desde criança manifestou dotes para pintura, desenho, escultura, frequentou a Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, recebeu inúmeros prêmios, participou de dezenas de salões de artes, exposições INDIVIDUAIS no Brasil e exterior, é Advogado, doutor em Direito Público há mais de 15 anos, que tem a missão de oferecer obras de artes, serviços artísticos experientes e conhecimentos de excelência com criatividade, segurança e eficiência, inclusive para ASESSESSORIA ARTÍSTICA, CONSULTORIA ON LINE.  (º--º)  Meu trabalho é conhecido e reconhecido por várias pessoas físicas e jurídicas pois presto serviços e ATENDIMENTOS INDIVIDUAIS E EM GRUPOS, inclusive como PALESTRANTE sobre arte social, direito, projetos sociais de relevância, desenvolvimento pessoal, motivação, empoderamento, liberdade emocional.



TOTAL DE VISITANTES

TOTAL DE VISITANTES

SEGUIDORES DE MARMEL

PESQUISAR NESTE SITE?

RECEBER NOTÍCIAS DE PUBLICAÇÕES? DIGITE E-MAIL

quinta-feira, outubro 22, 2015

AS LAGARTAS PROCESSIONÁRIAS

Conta-se que Jean Faber, grande naturalista francês, encontrou um exemplo perfeito do comportamento receoso de romper com a rotina, ao fazer investigações sobre as lagartas processionárias.

Ton MarMel e a ação resultante de uma decisão. (#tonmarmel +MarMel Artista  +MarMel Jurista 
Esses curiosos bichinhos vivem nos bosques, alimentando-se de folhas de pinho, caminham entre as árvores, formando uma longa fila, com os olhos semicerrados e a cabeça quase pegada à traseira da companheira que a precede. Parecem automóveis que andam colados no para-choque do automóvel que segue à frente.

"O que sucederia - perguntou-se Faber - se eu colocasse a primeira processionária de tal modo que ficasse unida à última da coluna"?

Sem grandes problemas, conseguiu que uma série de lagartas caminhasse em círculo sobre a borda de um vaso. Caminharam em círculo durante sete dias e sete noites.


Nada podia romper a cadeia. Com exceção do cansaço e da fraqueza, devido à falta de alimento. E note-se que havia suficiente alimento no meio do vaso, a uma distância menor que o cumprimento de uma das processionárias. Um verdadeiro banquete, se qualquer uma delas se houvesse animado a romper a cadeia.

Mas, nenhuma delas o fez.


Assim, cuidado com seus hábitos e suas rotinas; eles podem estar cegando-a para as chances e oportunidades que se mostram e que você já as conhece muito bem.