TRADUTOR / TRANSLATER

TRADUTOR / TRANSLATER / TRADUCTEUR / TRADUCTOR / TRADUTTORE
English French German Spain Italian Dutch Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified

Quem sou eu

Minha foto

Bem vinda(o) à página de Ton MarMel, Artista Visual, que desde criança manifestou dotes para pintura, desenho, escultura, frequentou a Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, recebeu inúmeros prêmios, participou de dezenas de salões de artes, exposições INDIVIDUAIS no Brasil e exterior, é Advogado, doutor em Direito Público há mais de 15 anos, que tem a missão de oferecer obras de artes, serviços artísticos experientes e conhecimentos de excelência com criatividade, segurança e eficiência, inclusive para ASESSESSORIA ARTÍSTICA, CONSULTORIA ON LINE.  (º--º)  Meu trabalho é conhecido e reconhecido por várias pessoas físicas e jurídicas pois presto serviços e ATENDIMENTOS INDIVIDUAIS E EM GRUPOS, inclusive como PALESTRANTE sobre arte social, direito, projetos sociais de relevância, desenvolvimento pessoal, motivação, empoderamento, liberdade emocional.



TOTAL DE VISITANTES

TOTAL DE VISITANTES

SEGUIDORES DE MARMEL

PESQUISAR NESTE SITE?

RECEBER NOTÍCIAS DE PUBLICAÇÕES? DIGITE E-MAIL

terça-feira, fevereiro 23, 2016

O PRESENTE

O sacrifício faz parte da felicidade. Muitas vezes reclamamos das dificuldades que passamos para atingir alguma meta, mas, com certeza, ao atingirmos, ela terá um sabor bem diferente do que se a tivéssemos conquistado com facilidade. A luta e os obstáculos fazem parte da empreitada rumo ao sucesso, eles são o tempero da conquista, valorizam nossos feitos, por isso, toda vez que os caminhos ficarem mais difíceis de ser trilhados, lembremos do doce gosto da conquista e continuemos lutando.


"Não procures a verdade fora de ti, ela está em ti, em teu ser: Não procures o conhecimento fora de ti, ele te aguarda em tua fé interior. Não procures a paz fora de ti, ela está instalada em teu coração. Não procures a felicidade fora de ti, ela habita em ti desde a eternidade."
ENTÃO... Depois desse breve introito lembrei dessa estorieta que passo compartilhar...
Numa cidadezinha do interior, havia uma escola com uma única classe e uma única professora. Ela lecionava para todas as crianças da cidade. Ela amava as crianças e as crianças também a amavam muito.
No Dia do Professor, as crianças estavam agitadíssimas, cada uma querendo entregar primeiro seu presente à professorinha: os filhos do dono da chácara trouxeram uma cesta de frutos, cada um mais bonito e cheiroso que o outro; os dois ruivinhos, filhos do dono da granja, trouxeram uma boa quantidade de ovos; a menina gorduchinha, filha da cozinheira, trouxe um belo de um bolo; os três pequerruchos da Fazenda União trouxeram um cabrito e o menino índio, único índio na escola, deu-lhe uma concha. A professorinha ficou encantada com o nacarado da concha e colocou-a logo no ouvido para escutar o barulho do mar que a concha reproduzia.
Estava embevecida, quando reparou que o menino índio tinha os pés e as pernas muito empoeirados, a unha do dedão quebrada, o short, além de gasto, estava sujo, a camisa molhada de suor revelava braços e mãos imundos e o rostinho - ah! nem se fala! -naquele rosto encardido, os olhos faiscavam de alegria.
Só no confronto com esses olhos, a professora se deu conta de que a praia mais próxima estava a três horas de caminhada. Considerando a volta, isso significava seis horas de caminhada ininterrupta, e perguntou ao menino: 
- Mas você foi buscar essa concha para mim?

E ele respondeu: 
- A caminhada faz parte do presente!


.