TRADUTOR / TRANSLATER

TRADUTOR / TRANSLATER / TRADUCTEUR / TRADUCTOR / TRADUTTORE
English French German Spain Italian Dutch Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified

Quem sou eu

Minha foto

Bem-vinda(o) à MarMel visualARTS do premiado artista Ton MarMel que desde infante manifestou dotes para pintura, desenho, escultura, frequentou a Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, participou de dezenas de salões, exposições no Brasil e exterior, é Doutor em Direito Público que tem a missão de oferecer conhecimento, obras e serviços de excelência com criatividade, segurança e eficiência. 


SEGUIDORES DE MARMEL

TOTAL DE VISITANTES

DESTAQUE

CARTA ABERTA A EXCELENTÍSSIMA SENHORA PRESIDENTA DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL SOBRE A SITUAÇÃO DA ARTE E DO ARTISTA BRASILEIROS - http://marmel-ton-marmel.blogspot.com/2011/09/carta-aberta-excelentissima-senhora.html
- "NÓS,BRINQUEDOS" - Conjunto de mais de 600 TELAS executadas em técnicas diversas, distribuído em 4 Volumes, acompanhado de TEXTO-TESE indicativo que pode ser lido integralmente neste link de postagem anterior http://marmel-ton-marmel.blogspot.com/2011/05/nos-brinquedos.html#links - "NÓS, BRINQUEDOS: porque desde a infância somos nossos próprios brinquedos, realizações, sonhos, projetos, inventos, alegrias e decepções." (MarMel) - "Ninguém te sacudiu pelos ombros quando ainda era tempo. Agora, a argila de que

sábado, abril 05, 2014

ABSURDO DE 1 MILHÃO POR HORA PARA CONGRESSO

Do bolso do contribuinte saem R$ 1 milhão por hora para o Congresso.


É DE LASCAR! Sustentar gente ordinária não é fácil. Não dá para aguentar !!! 

Este é o valor que o Congresso recolhe dos impostos pagos pela população, a cada 60 minutos, para financiar os gastos das duas Casas. A previsão para 2014 é que Câmara e Senado consumam R$ 8,7 bilhões.


A cada hora, praticamente R$ 1 milhão saem dos cofres públicos para bancar a fatura anual do Congresso. Com orçamento autorizado de R$ 8,73 bilhões em 2014 para custear salários e regalias de parlamentares, além de toda a estrutura das duas Casas, Câmara e Senado vão na contramão daquilo que a população cobrou a partir de junho do ano passado, nas manifestações de rua: eficiência nos gastos públicos e foco nos setores estratégicos para o desenvolvimento do país, como saúde e educação. Por dia, a Câmara e o Senado gastam, em média, R$ 23,9 milhões. É como se as duas Casas sangrassem o Tesouro à razão de R$ 16,6 mil por minuto. Se esta reportagem for lida em cinco minutos, o Congresso brasileiro terá consumido cerca de R$ 83 mil nesse tempo.


Entre 1º de janeiro e ontem, o Congresso gastou cerca de R$ 2,08 bilhões, de acordo com dados do portal Siga Brasil, mantido pelo Senado Federal. A maior parte do valor foi gasto na Câmara, com R$ 1,24 bilhão. Desses reais, cerca de R$ 170 milhões foram escoados nos chamados restos a pagar, que são pendências do exercício anterior. O Senado, por sua vez, já gastou outros R$ 839 milhões. E não para por aí: por conta da forma como está organizado o processo orçamentário brasileiro, cada órgão pode acabar com gastos autorizados ainda maiores do que a dotação inicial prevista na Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) do respectivo ano. “O processo começa com o Ministério do Planejamento, que elabora uma projeto de lei com base em projeções recebidas dos órgãos. Em seguida, esse texto vai ao Congresso, que adiciona as emendas parlamentares e aprova a proposta, com data-limite em 22 de dezembro”, explica o especialista em orçamento público Thiago Vesely.

“Depois de aprovado, o chefe do Executivo edita o chamado decreto de programação orçamentária e financeira, também conhecido como ‘corte’, bloqueando uma parte dos recursos de cada órgão do Executivo. Mas, uma vez atingido o superavit pretendido, os recursos podem ser liberados”, continua Vesely. Aqui, surge a primeira desigualdade no tratamento: Congresso e Judiciário não são atingidos pela tesoura que aflige ministérios e outros órgãos do Executivo. “Uma vez aprovado o orçamento, cada um faz o que quer. E só o Executivo faz esse corte”, completa o especialista. Outra forma de realocar recursos para aumentar a verba disponível em cada órgão é por meio dos chamados créditos suplementares, que são enviados pelo Executivo e votados pelo próprio Congresso.




(Fonte: Correio Braziliense de 05.04.2014)
http://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/politica/2014/04/05/interna_politica,421504/do-bolso-do-contribuinte-saem-r-1-milhao-por-hora-para-o-congresso.shtml