TRADUTOR / TRANSLATER

TRADUTOR / TRANSLATER / TRADUCTEUR / TRADUCTOR / TRADUTTORE
English French German Spain Italian Dutch Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified

Quem sou eu

Minha foto

Bem vinda(o) à página de Ton MarMel, Artista Visual, que desde criança manifestou dotes para pintura, desenho, escultura, frequentou a Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, recebeu inúmeros prêmios, participou de dezenas de salões de artes, exposições INDIVIDUAIS no Brasil e exterior, é Advogado, doutor em Direito Público há mais de 15 anos, que tem a missão de oferecer obras de artes, serviços artísticos experientes e conhecimentos de excelência com criatividade, segurança e eficiência, inclusive para ASESSESSORIA ARTÍSTICA, CONSULTORIA ON LINE.  (º--º)  Meu trabalho é conhecido e reconhecido por várias pessoas físicas e jurídicas pois presto serviços e ATENDIMENTOS INDIVIDUAIS E EM GRUPOS, inclusive como PALESTRANTE sobre arte social, direito, projetos sociais de relevância, desenvolvimento pessoal, motivação, empoderamento, liberdade emocional.



TOTAL DE VISITANTES

TOTAL DE VISITANTES

SEGUIDORES DE MARMEL

PESQUISAR NESTE SITE?

RECEBER NOTÍCIAS DE PUBLICAÇÕES? DIGITE E-MAIL

sexta-feira, setembro 30, 2011

O PERIGO DO PRESSUPOSTO

O PERIGO DO PRESSUPOSTO - 






Abriu a porta e deu com o amigo que há tanto não via. Estranhou que ele viesse
acompanhado por um cão. Cão forte, saltitante e com um ar agressivo. Cumprimentou o amigo, efusivamente.

- Quanto tempo!

- quanto tempo! ecoou o outro.


O cão aproveitou a saudação e entrou casa adentro. Logo, um barulho na cozinha
demonstrava que ele tinha virado qualquer coisa. O dono da casa encompridou as orelhas. O amigo visitante, porém nada.


- A última vez que nos vimos foi em...

O cão passou pela sala, entrou no quarto e novo barulho; desta vez de coisa

quebrada. Houve um sorriso amarelo do do no da casa, mas perfeita indiferença do
visitante.
- Quem morreu foi o... você se lembra dele?!


O cão saltou sobre um móvel, derrubou um abajur. Logo trepou as patas sujas no sofá e deixou a marca digital e indelével de seu crime. Os dois amigos, tensos, agora

fingiram não perceber.

Por fim, o visitante se despediu e já ia saindo, quando o dono da casa perguntou:
- Não vai levar o seu cão?
- Cão? Ah, cão! Oh, agora estou entendendo. Não é meu, não. Quando eu entrei, ele

entrou comigo tão naturalmente que pensei que fosse seu.




+++++ SORRIAS E MELHORES SEU DIA +++++