TRADUTOR / TRANSLATER

TRADUTOR / TRANSLATER / TRADUCTEUR / TRADUCTOR / TRADUTTORE
English French German Spain Italian Dutch Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified

Quem sou eu

Minha foto

Bem-vinda(o) à MarMel visualARTS do premiado artista Ton MarMel que desde infante manifestou dotes para pintura, desenho, escultura, frequentou a Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, participou de dezenas de salões, exposições no Brasil e exterior, é Doutor em Direito Público que tem a missão de oferecer conhecimento, obras e serviços de excelência com criatividade, segurança e eficiência. 


SEGUIDORES DE MARMEL

TOTAL DE VISITANTES

DESTAQUE

CARTA ABERTA A EXCELENTÍSSIMA SENHORA PRESIDENTA DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL SOBRE A SITUAÇÃO DA ARTE E DO ARTISTA BRASILEIROS - http://marmel-ton-marmel.blogspot.com/2011/09/carta-aberta-excelentissima-senhora.html
- "NÓS,BRINQUEDOS" - Conjunto de mais de 600 TELAS executadas em técnicas diversas, distribuído em 4 Volumes, acompanhado de TEXTO-TESE indicativo que pode ser lido integralmente neste link de postagem anterior http://marmel-ton-marmel.blogspot.com/2011/05/nos-brinquedos.html#links - "NÓS, BRINQUEDOS: porque desde a infância somos nossos próprios brinquedos, realizações, sonhos, projetos, inventos, alegrias e decepções." (MarMel) - "Ninguém te sacudiu pelos ombros quando ainda era tempo. Agora, a argila de que

sexta-feira, setembro 30, 2011

O PERIGO DO PRESSUPOSTO

O PERIGO DO PRESSUPOSTO - 






Abriu a porta e deu com o amigo que há tanto não via. Estranhou que ele viesse
acompanhado por um cão. Cão forte, saltitante e com um ar agressivo. Cumprimentou o amigo, efusivamente.

- Quanto tempo!

- quanto tempo! ecoou o outro.


O cão aproveitou a saudação e entrou casa adentro. Logo, um barulho na cozinha
demonstrava que ele tinha virado qualquer coisa. O dono da casa encompridou as orelhas. O amigo visitante, porém nada.


- A última vez que nos vimos foi em...

O cão passou pela sala, entrou no quarto e novo barulho; desta vez de coisa

quebrada. Houve um sorriso amarelo do do no da casa, mas perfeita indiferença do
visitante.
- Quem morreu foi o... você se lembra dele?!


O cão saltou sobre um móvel, derrubou um abajur. Logo trepou as patas sujas no sofá e deixou a marca digital e indelével de seu crime. Os dois amigos, tensos, agora

fingiram não perceber.

Por fim, o visitante se despediu e já ia saindo, quando o dono da casa perguntou:
- Não vai levar o seu cão?
- Cão? Ah, cão! Oh, agora estou entendendo. Não é meu, não. Quando eu entrei, ele

entrou comigo tão naturalmente que pensei que fosse seu.




+++++ SORRIAS E MELHORES SEU DIA +++++