TRADUTOR / TRANSLATER

TRADUTOR / TRANSLATER / TRADUCTEUR / TRADUCTOR / TRADUTTORE
English French German Spain Italian Dutch Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified

Quem sou eu

Minha foto

Bem vinda(o) à página de Ton MarMel, Artista Visual, que desde criança manifestou dotes para pintura, desenho, escultura, frequentou a Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, recebeu inúmeros prêmios, participou de dezenas de salões de artes, exposições INDIVIDUAIS no Brasil e exterior, é Advogado, doutor em Direito Público há mais de 15 anos, que tem a missão de oferecer obras de artes, serviços artísticos experientes e conhecimentos de excelência com criatividade, segurança e eficiência, inclusive para ASESSESSORIA ARTÍSTICA, CONSULTORIA ON LINE.  (º--º)  Meu trabalho é conhecido e reconhecido por várias pessoas físicas e jurídicas pois presto serviços e ATENDIMENTOS INDIVIDUAIS E EM GRUPOS, inclusive como PALESTRANTE sobre arte social, direito, projetos sociais de relevância, desenvolvimento pessoal, motivação, empoderamento, liberdade emocional.



TOTAL DE VISITANTES

TOTAL DE VISITANTES

SEGUIDORES DE MARMEL

PESQUISAR NESTE SITE?

RECEBER NOTÍCIAS DE PUBLICAÇÕES? DIGITE E-MAIL

quarta-feira, dezembro 21, 2016

INFLUÈNCA SOCIAL NA APRECIAÇÃO DA ARTE

Estudo mostra que opinião sobre arte influencia na apreciação. O valor financeiro atribuído a ela influencia na forma como as pessoas a apreciam.



Oscar Wilde define a arte como a forma mais intensa de individualismo que o mundo conhece. A singularidade é emitida pelo artista, destaca o dramaturgo irlandês. Mas a opinião dos apreciadores pode ser influenciada por terceiros, segundo estudo conduzido por cientistas austríacos. Os pesquisadores analisaram a opinião de um grupo de voluntários sobre obras de arte e descobriram que eles eram afetados pelo ponto de vista de especialistas e pelo valor monetário dos trabalhos ao fazerem as próprias avaliações. Para os investigadores, a constatação confirma teorias sobre influência social levantadas por sociólogos e filósofos.

Os autores basearam-se em pesquisas na área artística e sociológica em que especialistas tratam a opinião artística como uma questão passível de influências externas. “Vários pensadores argumentam que as pessoas geralmente procuram a arte para se unir ou se excluir de grupos sociais. Isso sugere que, em se tratando de arte, o nosso gosto não é completamente pessoal ou objetivo, pode mudar dependendo do contexto social. No entanto, isso ainda não tinha sido testado empiricamente”, explica ao Correio Matthew Pelowski, um dos autores do estudo e pesquisador da Faculdade de Psicologia da Universidade de Viena, na Áustria.

No experimento, um grupo de voluntários tinha que avaliar uma série de pinturas de acordo com o seu prazer pessoal. Antes da apresentação, porém, eles foram informados que alguns grupos sociais haviam avaliado as obras anteriormente: colegas universitários, peritos (curadores) e jovens que largaram a faculdade e estavam sem trabalhar. “Os resultados mostram que, quando os participantes pensavam que os especialistas ou os colegas de faculdade gostavam de uma pintura, eles também gostavam”, conta Pelowski. “No entanto, quando eles pensavam que os desempregados não gostavam de uma pintura, os participantes foram na direção oposta e disseram que gostavam mais”, completa o autor.

Em uma segunda etapa, os pesquisadores mostraram aos voluntários o preço fictício de venda de uma pintura em um leilão de arte, o que também mudou significativamente a forma como eles definiram seu posicionamento diante da peça. Preços muito baixos deixaram os participantes menos interessados e admirados pela obra, preços muito altos provocaram o efeito contrário. Segundo a equipe de investigadores, as constatações mostram como a arte pode ser usada para demonstrar tipos de afinidade em grupos sociais. “Esses resultados fornecem apoio empírico para uma teoria de distinção social introduzida pelo sociólogo e filósofo francês Pierre Bourdieu. A forma como usamos a nossa avaliação e o nosso engajamento com a arte pode demonstrar lealdade aos grupos sociais desejáveis”, destaca Pelowski.


(Correio Braziliense. Caderno Ciência e Saúde. Vilhena Soares)